Após Papa se recusar a receber Mike Pompeo, americano tem encontro com o número dois do Vaticano

01/10/2020 16:16

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, foi recebido nesta quinta-feira (1º) no Vaticano pelo número dois da Igreja, o cardeal Pietro Parolin, e o secretário para Relações com os Estados, monsenhor Paul Gallagher. Em um artigo e em textos nas redes sociais, Pompeo afirmou que a Igreja pode perder sua autoridade moral ao renovar um acordo com a China a respeito da nomeação de bispos.

Reunião 'em clima cordial e de respeito'

Durante a reunião desta quinta-feira, que aconteceu em um clima "cordial e de respeito", os dois lados abordaram o tema da China e alguns conflitos que afetam o mundo, informou o Vaticano em um comunicado.

Pompeo conversou com os bispos durante 45 minutos.

"As partes apresentaram suas respectivas posições sobre as relações com a República Popular da China em um ambiente de respeito, relaxado e cordial. Também falaram sobre algumas zonas de conflito e crises, em particular o Cáucaso, o Oriente Médio e o Mediterrâneo oriental", afirma a nota do Vaticano.

Em setembro de 2018, a Santa Sé e a China assinaram um acordo provisório sobre a nomeação de bispos no país oriental.

Há décadas, há duas entidades que representam a Igreja na China: a "patriótica" (controlada pelo regime comunista) e uma chamada Igreja "clandestina", que reconhece o autoridade do papa --muitas vezes, essa última é perseguida pelo governo.

Em todo o mundo, é o papa quem decide sobre a nomeação dos bispos, homens que ele mesmo conhece ou que lhe são recomendados pelas conferências episcopais nacionais.

O conteúdo exato do acordo entre o Vaticano e a China nunca foi tornado público, mas na época da assinatura o Papa Francisco reconheceu imediatamente oito bispos chineses que haviam sido nomeados por Pequim sem sua aprovação.

Recentemente, o Vaticano prorrogou o acordo com a China. Foi por causa disso que Mike Pompeo criticou a Igreja.

O Papa Francisco deu passos decisivos nesta semana para acelerar sua reforma das finanças do Vaticano, cenário de inúmeros escândalos por seus controversos investimentos. No mais recente, o cardeal Angelo Becciu renunciou aos cargos por compras irregulares de imóveis em Londres.

Entre as reformas, todos os fundos de todos os diferentes órgãos e ministérios da Santa Sé serão administrados por uma única entidade, a Administração do Patrimônio da Sé Apostólica (Apsa). O órgão administra as milhares de propriedades imobiliárias do Vaticano em Roma, explicou o presidente da entidade, o bispo Nunzio Galantino, em entrevista ao jornal Il Corriere della Sera.

O objetivo do Papa é impedir que os dicastérios, isto é, ministérios, assim como a poderosa Secretaria de Estado, manejem fundos que em alguns casos chegam a várias dezenas de milhões de euros e centralizem sua gestão para garantir também seu controle e transparência ao monitorar as contas do Vaticano.

Creditos: G1

Voltar

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!